Bora paralisar!

/
0 Comments

No último dia 30 de abril, uma Assembleia Geral dos alunos da Unesp Bauru foi realizada e contou com a presença de mais de 250 estudantes, algo inédito para as últimas décadas do movimento estudantil do
campus. Nela, um dos principais pontos debatidos foi a paralisação dos estudantes, a ser realizada no dia 7 de maio de 2013.

A data carrega em si um cunho simbólico, já que o Campus da Unesp de Presidente Prudente também vai paralisar neste dia e a pró-reitora de extensão universitária, Profa. Dra. Mariângela Spotti Lopes Fujita estará em Bauru para a realização do III Fórum de Extensão Universitária promovido pela instituição.

Entre os pontos de pauta discutidos na reunião geral, está a adoção do sistema de cotas PIMESP, aprovado pelo Conselho Universitário da Unesp no dia 25 de abril em reunião ordinária. Durante votação na Assembleia, os estudantes se mostraram contrários ao programa, por contraste visual de votos.

Outro motivo que levou os alunos a adotarem a paralisação como via de protesto, foi o atraso e a diminuição do número de bolsas de extensão oferecidos pela PROEX, Pró-Reitoria de Extensão da Unesp. Além destas questões que afetam outros campus da universidade, há questionamentos específicos sobre o campus de Bauru, como é o caso da Moradia Estudantil e do Restaurante Universitário, casos emblemáticos para a comunidade unespiana de Bauru.

Votação pela paralisação. Vitória por contraste visual. Crédito: DAFAE

A Moradia e o RU são reivindicações antigas e chegam ao campus com mais de 20 anos de atraso. Sobre a moradia, após vários problemas com editais e distribuição de móveis e fiação elétrica, 27 alunos pleitaram vagas no conjunto. Uma outra reclamação da comunidade acadêmica é o número de refeições que serão oferecidas pelo Restaurante Universitário quando o seu funcionamento tiver início. Em reunião aberta da Congregação dos órgãos colegiados, durante a campanha eleitoral do atual reitor, Julio Cezar Durigan, falou-se em 400 refeições diárias para atender um campus que comporta mais de 5 mil alunos.

Ontem, minutos antes da Assembleia Geral, os estudantes receberam, via email da Assessoria de Comunicação Interna (ACI), um comunicado do Prof. Dr. Jair Manfrinato, responsável pelo Grupo de Administração Geral do Campus. No documento, o grupo buscava dar alguns esclarecimentos sobre o PIMESP, a Moradia Estudantil, o Restaurante Universitário e a Paridade de Votos dentro das universidades públicas, assuntos que foram amplamente divulgados como pautas a ser debatidas no último dia 30.

A paralisação foi aprovada por contraste visual e vai acontecer no dia 7 de maio. Entidades como o CACOFF, DADiCA (Diretório Di Calvanti – FAAC), DAFAE (Diretório Acadêmico da Faculdade de Engenharia – FEB) e DACEL (Diretório Acadêmico de Ciências César Lattes – FC), estiveram presentes e apoiaram a causa estudantil.

Haverá uma reunião organizativa, aberta, no dia 2 de maio em frente à Biblioteca, a partir das 17h. Lá serão discutidas formatos e atividades político-culturais a ser desenvolvidas durante a paralisação, além da composição dos Grupos de Discussão (GD’s) e formas de ocupação do Bosque. Está prevista também uma assembleia para o dia 6 de maio, um dia antes da paralisação para discutir os últimos detalhes.

Confirme presença no Facebook, e principalmente, no campus!!! Juntos, podemos construir uma universidade mais democrática, justa e consciente.

CACOFF - Centro Acadêmico de Comunicação Florestan Fernandes
Chapa Abraçaço 2013/2014


Posts relacionados

Nenhum comentário: